sábado, 11 de junho de 2011

Amor sem I love you...

xxxxx
Procuro um amor que não esteja ocupado, que não me cobre um tipo de amor qualquer, que não seja de um dia de namorados, nem que se reduza às flores que murcham, às maças que apodrecem e ao chantilly que dissolve. Procuro um amor que não seja comercial, que me aceite como sou, que não se transforme em carnaval. Procuro um amor que seja assim como eu sou, que não se mostre apenas pros outros, que não esteja estampado em molduras, que não me troque num fim de noite de domingo com o argumento de que o dia de se amar já passou. Procuro um amor que não tenha o dia certo pra acontecer, que não tenha a embalagem apropriada, o laço de fitas pra desatar; que não venha em caixinhas de alianças sem compromissos. Procuro um amor sem adereços, frases feitas como “I love you” em coração de pelúcia avermelhado. Procuro um amor feliz, pode ser brega enquanto se o viva, mas livre de qualquer formato já repetido. Quero um amor que não seja construído pelos outros, nem que eu me permita construí-lo sozinho, mas que seja livre de um dia eleito pelo mercado das paixões extravagantes. Procuro um amor assim: longe dos classificados... lamento se um dia eu nunca encontrar.
jr

9 comentários:

nagaiver disse...

nossa jooooo, mto legal esse post. Adorei. Um amor que não seja mercadoria. É disso que precisamos.

Analistas do Discurso disse...

Pois é Nagai, estou irritado com essa falsidade amorosa que rola pelo Facebook.Depois da internet e da TV Globo, o amor é mais que líquido, é vapor!

nagaiver disse...

Joooo, não precisa ficar irritado com essa leva de amores líquidos. O tempo atravessa a tudo e a todos. Modificando o que estiver em sua frente. Se ficarmos em tudo o que se molda às liquidezas desses tempos, então vamos virar carrancudos. Chatos. Liquide-se com tudo também jooooo. O que é o amor senão isso que sobrevive aos tempos, às pessoas, aos piores desastres de todos os tempos.

renanferreira disse...

Fenomenal... precisa dizer mais alguma coisa?

Ivanita disse...

Me fez lembrar algo que escrevi outro dia no meu caderno de contas a pagar (rsrs): "Em tempos de alta rotatividade sentimental o amor cabe apertado no poema..."
E outra coisa que Roberval Pereyr disse em uma de suas aulas: "naMORAR é MORAR em alguém", as pessoas moram pouco umas nas outras... estão sempre a passeio...
Beijos, amigo.

Analistas do Discurso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Shook disse...

Amor passageiro, sem inicio ou fim, 'que seja eterno enquanto dure', haja definições !
Alguns pegajosos,outros líquidos

Evaporam ao tempo certo, mesmo que o encontro tenha sido 'classificado' sem I love you...

Lidi disse...

Lindo post. Vai encontrar um, sim. Nilson, nunca mais você apareceu no Deslocamentos, então, eu vim te visitar. Bateu saudades. Bjs

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog A Poética de Cibele Camargo. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/