quarta-feira, 18 de julho de 2007

O paradigma das mudanças climáticas

O PARADIGMA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS



Por Henrique Oliveira de Andrade


Mudança Climática, Aquecimento Global, El Niño, La Niña, afinal o que está acontecendo com o nosso planeta? Estas e outras questões são levantadas quando assistimos à televisão, lemos um jornal ou uma revista. Em certos momentos, somos levados a acreditar que a culpa é sempre do clima. É neste contexto que utilizamos palavras que expressam uma realidade que alguns dizem ser alarmante, colocando o Homem como o grande causador de tais mudanças. Outros afirmam fervorosamente que tudo isso é um ciclo natural do planeta, deixando a sociedade numa dúvida um tanto espiritual: será o fim do mundo?



É dessa forma que este assunto tão intrigante e ao mesmo tempo científico e religioso acaba caindo no senso comum, quando se acredita que a Terra está no seu fim, relembrando o velho e conhecido apocalipse da sagrada Bíblia: o Homem com suas mazelas sócio-ambientais destruirá todo o planeta por castigo divino.



Com o advento do termo “Aquecimento Global”, a mídia como uma grande massificadora das notícias desloca o foco das discussões, que ao invés de desmistificar, causa uma intensa onda de “fim do mundo” anunciado. Esta “realidade” climato-ambiental acaba travestindo grandes problemas mundiais de ordem econômica, social e política na forma de alarmismo frenético.



A ciência para alguns é direta e objetiva, porém está sendo contestada na análise de tais mudanças climáticas. Segundo alguns pesquisadores, elas são cíclicas e oscilam de acordo com parâmetros como inclinação Terra-Sol dentre outros. No entanto, alguns culpam o Homem e as atividades industriais por essas mudanças, oscilações, variações e ritmos de temperaturas em escala global.



Uma coisa é certa: a Terra está passando por aquecimento abrupto nos últimos anos, porém isso já aconteceu em épocas passadas. A grande questão é a causa e o porquê do aquecimento, haja vista que a Revolução Industrial introduziu o câncer do mundo contemporâneo que é a indústria, no entanto deve-se ter cuidado na análise de fatos e de resultados. Estas são algumas dúvidas que perpassam o campo da ciência: O aquecimento global existe? Será que ele é global mesmo? É o fim do mundo ou um fenômeno climático extremo? O Planeta está aquecendo ou resfriando? Como estamos na era das incertezas, reinam as dúvidas e os questionamentos.


Henrique Oliveira de Andrade (1985) Graduando em Licenciatura e Bacharelado em Geografia pela Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS / Bolsista Fapesb / Estação Climatológica (Desenvolve pesquisa sobre Clima Urbano, Geotecnologias e Estimativa de Evapotranspiração Regional) - Professor de Geografia do município de Feira de Santana-BA - henriqueuefs@ig.com.br

3 comentários:

RIC disse...

... Mas também talvez não seja recomendável usar e abusar do relativismo, pelo menos neste assunto tão melindroso e decisivo para a Humanidade. (Não esquecer as mentiras que cientistas disseram para agradar a Bush!)
Se é certo que sempre houve oscilações climáticas na Terra, hoje há um novo factor em jogo, cuja influência é ainda desconhecida: o Homem!
Abraço! :-)

Palavras e co-lirius disse...

Concordo com você, Ric!
Não sou estudioso do assunto, mas venho lendo e às vezes nem é preciso buscar leituras muito distantes, haja vista que o "Big assunto" do momento vem sendo esse. A citada mídia, de uma forma ou de outra, tem-nos apresentado muitas questões sobre o tema. Resta saber, como disse o autor Henrique, dentre suas questões, o que é verdade e o que é invenção. Mas a discussão é boa e nos faz pensar. Pensar é um exercício em que se busca respostas, não? Então continuemos a fazer.
Bom início de semana!

Emi disse...

Olá Ric!
Meu nome é Emily, estou visitando seu blog pela primeira vez e gostei muito do que vc escreveu!
Sou estudante de Ciências Biológicas e eu sou da seguinte opinião: o planeta já passou por diversas mudanças climáticas de frio a calor extremo e isso com certeza é cíclico, mas oq acontece é que o homem e a industrialização aceleram este processo... o buraco na camada de ozônio é um exemplo da intererência do homem no ciclo de "acabar o mundo". Mas o mundo com certeza ja "acabou" várias vezes, mas não estávamos aqui para presenciar rsrs
Abs,
Emily