segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Poema: Silencio e brisa


Silêncio e Brisa


Vago tu me deixas
no impulso do silêncio,
e vago tu me levas
à brisa do teu cheiro.

A brisa é teu corpo
que em meu corpo briga,
a brisa é teu beijo
que me mata a sede.

E meio vago,
me falo em tua fala
onde me afagas
onde me há fogo
onde me afago
e me desvago.

{jr}

4 comentários:

Renata Belmonte disse...

Vale Muito a pena ler O Amante!
Grande abraço,
Renata

Palavras e co-lirius disse...

oi Renata,

Obrigado!
Vou ler sim...agora nas férias.
bjão

RIC disse...

É muito bela a tradição da lírica amorosa em língua portuguesa, com uma fortíssima ligação à Natureza!
Parabéns, meu caro Nilson!
Obrigado e abraço! :-)

(Já agora, boas férias!)

Palavras e co-lirius disse...

Olá Ric,

Obrigado! Queria mesmo expressar uma cema que imaginei há um tempo, mas vejo que as palavras não dão conta de todos os sentimentos.
Abraço, bom final de semana.