domingo, 10 de junho de 2007

Poema: dia e noite

...é noite, o preto avança as esquinas do dia e o apaga; o branco anda lentamente por entre a gente; o preto invade o quarteirão, trilha a multidão e segue; o branco assalta à mão armada o outro lado do dia, cruza a avenida, dança o Carnaval, degusta o acarajé; o preto furta o próprio espaço no meio do nada; o branco corta a Avenida Sete ao meio e segue, enquanto o preto pinta o sete e sofre; o preto fica branco e o branco fica preto...nesta avenida, preto ou branco dança...

2 comentários:

Anônimo disse...

Reflexão pensativa neste blog, textos como aqui vemos dão valor a quem analisar neste blog .....
Realiza muito mais deste sítio, aos teus visitantes.

nagaiver disse...

uia. joooo. dança o preto e o branco nessa fresta de luz de nada. Nesta avenida, nada muda a situação.